O que é um SAN?

COMPARTILHAR
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

SAN (Storage Area Network) é considerada uma arquitetura muito mais complexa e com um custo de administração e implantação muito mais elevado também. No entanto, em alguns ambientes denominados “Enterprise” de produção esta arquitetura é a mais indicada, acredite ou não, inclusive do ponto de vista do custo da solução. Imagine administrar um ambiente com 1PB distribuídos em N storages conectados diretamente a N servidores ou workstations (DAS), seria um pesadelo para qualquer administrador de sistemas, além de ter zero flexibilidade e colaboratividade, baixa segurança, alto custo por TB e escalabilidade desorganizada.

Abaixo o caos após o crescimento baseado em storage local:

As SANs também oferecem altíssima performance e escalabilidade , e diferente do DAS onde acontece um link direto do storage com a workstation, na SAN este link é feito com o que chamamos de “switched fabric”,  ou seja, neste caso N storages, servers e clientes são conectados a um switch fiber channel (aqui vamos focar em Fiber Channel por ser a conexão mais utilizada, mas poderia ser substituído por iSCSI, Ethernet, Infiniband), onde N storages podem ser “apresentados” aos N servers/clientes como um único pool, ou como um pool compartilhado em block level access como na figura abaixo:

Clustered ou Shared Filesystem:
Até este ponto, na SAN temos block level access, gerenciamento de storage, performance, escalabilidade, mas outro componente fundamental para o fluxo de trabalho , confiabilidade e otimização do storage são os Filesystems compartilhados, ou shared filesystem.

Fluxos de trabalhos colaborativos e integrados de emissoras e produtoras, por exemplo: filmes publicitários, longa metragem, reality show além de performance demandam acesso de leitura e escrita ao storage por muitas ilhas de edição, finalização e correção de cor simultaneamente e em real-time, e para estas situações o clustered ou shared filesystem é necessário.

Este “componente” shared fs, aumenta significativamente a complexidade mas também a funcionalidade do sistema, é normalmente implementado adicionando um ou dois servidores(para redundância) conectados ao storage via Fiber Channel e também a rede ethernet, chamados MDC, meta data controller que gerenciam o acesso de leitura e escrita de N clientes.

Nas ilhas de edição ou estações de trabalho, é necessário instalar localmente também um aplicativo(initiatior) do mesmo fabricante do shared filesystem, para permitir o acesso a este filesystem(target).

Diferentes sistemas operacionais são suportados, MacOS, Windows e Linux,  dependendo do fabricante da solução.

Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de como se destacar no mercado audiovisual.