Aposta do mercado, realidade virtual vai valer mais do que TV em 2025.

COMPARTILHAR
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Rami Malek em cena do episódio feito especialmente para realidade virtual da série Mr. Robot                                                                                                                                                                                                                                            REPRODUÇÃO/USA

 

Prepare-se para mais projetos como o Fant360, série do Fantástico na qual reportagens são feitas utilizando câmeras que gravam em 360 graus. Experiências imersivas são a grande aposta do mercado audiovisual e, segundo o grupo financeiro Goldman Sachs, vão valer mais que a própria TV em 2025.

Uma projeção do banco aponta que o setor de realidade virtual (ou VR, na sigla em inglês) e realidade aumentada vai gerar cerca de US$ 110 bilhões (R$ 345 bilhões) por ano, contra “apenas” US$ 99 bilhões (R$ 310 bilhões) do mercado televisivo.
“O audiovisual precisa entender a importância da realidade virtual como um mercado. Não é apenas um brinquedo para o público nerd, é uma possibilidade real que precisa ser melhor explorada”, aponta Fabio Hofnik, diretor da Hyper VR, festival de Realidade Virtual que acontece agora dia 16 de setembro, em São Paulo.

A dificuldade de explorar a potencialidade desse mercado está na falta de equipamentos técnicos. Para ter a experiência imersiva de realidade virtual, é necessário adquirir visores especiais, como o Oculus Rift ou o HTC Vive.

“Ainda estamos muito no começo da realidade virtual; era como o início do VHS, que exigia câmeras gigantes, nada portáteis. A VR hoje não é uma experiência das mais confortáveis”, concede Ricardo Laganaro, da O2 Produções.

Ainda assim, produtores importantes e festivais renomados estão começando a perceber o potencial da novidade. “Sundance, Tribeca, Cannes e Veneza tiveram mostras de VR, com curadores e projetos de criadores. Antes, estávamos em um “demo-gueto”, no qual engenheiros faziam filmes só para mostrar os produtos, sem nenhum conteúdo artístico” diz Langanaro.

A premiada série Mr. Robot, por exemplo, já fez um episódio de 18 minutos especialmente para as plataformas de VR. “Não era um vídeo de making of, era um projeto de ficção do criador da série, com o elenco, algo grande”, diz o executivo da O2.

No dia 21 de agosto,  o aplicativo da CNN norte-americana realizou a transmissão do eclipse solar com imagens imersivas de VR, colocando seu público para acompanhar. No Brasil, Ivete Sangalo lançou um clipe com a tecnologia.

“É muito importante que a gente ofereça um produto de altíssima qualidade para que o público tenha uma boa primeira experiência”, ressalta Hofnik. “Afinal, se você faz um filme ruim, o público dorme. Mas, se você faz uma realidade ruim, o público passa mal, é traumático!”, completa Langanaro.

Os especialistas ressaltam a importância de o mercado brasileiro aderir logo a essa tendência. “Seria a primeira revolução tecnológica no audiovisual de que a gente participaria em tempo real. Em todas as outras, nós largamos depois e precisamos correr atrás. Agora, não podemos torcer o nariz; é melhor ajudar desde o início a formular o que vai ser feito daqui para a frente”, explica Laganaro.

Fonte: Uol

Não perca nenhuma novidade!

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de como se destacar no mercado audiovisual.